sábado, 25 de maio de 2013

Quepos, Costa Rica, 25-05-2013

Este blog vai sofrer uma pequena solução, suspensão, interrupção, como preferirem chamar-lhe. Não acaba porque os bordos não acabam. Continua no Don Vivo, onde de resto começou há, creio, dois anos, na Martinique ou lá perto.

Um dia voltará, grande, crescido, adulto. Obrigado a quem o leu, seguiu e apreciou.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Quepos, Costa Rica, 17-05-2013

Quase é uma palavra que engana muito, todos o sabemos; e saber que o ARCTIC FRONT está quase pronto para amanhã não me deixa completamente à vontade. Mas pouco posso fazer: o que não tem remédio remediado está. A senhora que devia vir fazer as limpezas adoeceu subitamente, ao que parece, coitada; e só consegui uma substituta para amanhã de manhã. Claro que eu podia ter limpo, arrumado, lavado a loiça, aspirado, feito as camas em vez de tratar da contabilidade e - seja Deus louvado - falado com uma jovem, simpática, bonita e inteligente senhora enquanto bebia um rum Centenario 7 anos. Pois.

Mas estou cansado, fundamental, profunda, existencial, intrínseca, estruturalmente cansado. Prefiro correr o risco de ter que fazer eu isto tudo amanhã de manhã a ter a certeza de o fazer hoje. Deus existe e é generoso - ou pelo menos tem sido, bastante, ultimamente - e a senhora estará no barco às sete em ponto.

Espero que sim. Aposto que sim.

........
O curto prazo está resolvido, quase; a etapa seguinte - pintar casco e convés, refazer o interior, fazer melhoramentos no sistema eléctrico e nos encanamentos de água doce, mudar o bocim, e mais meia dúzia de coisas pequenotas - está em marcha. Em breve terei dez dias de férias. Não mudei de vida, mudei de planeta.

........
Estás tão longe, Lisboa; e faltas-me tanto. Tu e o que e quem lá tens dentro.

........
Começo vagamente a perceber porque é a Costa Rica o país mais feliz do mundo, e estou contente por contribuir positivamente para essa estatística.

........
A minha experiência profissional é como um leque sevilhano pousado aberto em cima de uma mesa: fiz muitas coisas cheias de cor, mas pouco tempo (com a óbvia excepção da náutica de recreio). Não posso falar muito das outras profissões; mas posso sem dúvida dizer que não deve haver muitas que sejam tão variadas, tão boas, tão exigentes e - simultaneamente - generosas como a minha. Conheço pessoas que gostam tanto do que fazem como eu - mas não consigo perceber como ou porquê.

Enfim, exagero. Muito: a verdade é que não preciso de comparações para saber que faço a melhor profissão do mundo; e que as outras não são profissões, são trabalhos, empregos, ocupações, biscates, torturas, castigos e punições.

Deveria talvez acrescentar, em abono da verdade, que me é agradável ver pessoas gostar tanto do que fazem como eu gosto do que faço; mas não consigo impedir-me de pensar. Isto é, de não ser relativista.

A "sou tolerante, mas não sou relativista" deveria talvez juntar-se " compreendo tudo, mas não sou relativista".

Claro que há aqui um bemol: faço o que faço por absoluta incapacidade de fazer outra coisa...

........
Hoje tive oportunidade de medir a inacreditável quantidade de sorte que me foi dada ao encontrar aquela casa. Os pormenores seriam aborrecidos (ainda mais aborrecidos).

Um gajo sabe que alguma coisa se passa na sua vida quando no vocabulário quotidiano harmonia deixa de ser a palavra recorrente e é substituida por gratidão.




quinta-feira, 16 de maio de 2013

Quepos, Costa Rica, 16-05-2013

Trabalho, trabalho, trabalho. Vivo, respiro, como e bebo ARCTIC FRONT. Sábado chega o primeiro grupo. Não há dúvida: a esquizofrenia é um dom. Penso no que tenho de fazer até ir ao aeroporto buscá-lo, que é muito; e no que terei quando se forem embora. Felizmente são só três pessoas; se as coisas continuarem a correr como até agora têm corrido - quase bem de mais para ser verdade, no limite do irreal - não haverá problemas de maior. Bato na madeira.

........
Não sei como dizer. A infelicidade cansa muito, é maçadora; a felicidade também, de certa forma: uma cansa-nos a nós, a outra aos outros. Talvez a melhor mistura seja a que agora vivo: um céu parcialmente nublado torna as cores mais vivas, melhora a luz, torna mais vivos os pormenores.

........
Quepos é uma cidade pequena: aproximadamente quinze mil habitantes. Vive da proximidade com o parque nacional Manuel António. Ontem o proprietário da casa onde em breve (Allah u Aqbar) viverei mostrou-nos o trajecto até à entrada do parque. Hostels, restaurantes, restaurantes, hotéis, barracas de artesanato, hostels. Estranhamente não achei feio; ou porque acabei de chegar, ou porque de facto a mistura não choca, ou - sobretudo - porque significa que teremos mercado.

Não é chocante. Lembrei-me de Nosi Bê, em Madagáscar, infinitamente mais pobre mas igualmente harmonioso, bonito. Talvez o verde tenha esta inesperada (para mim) capacidade de integrar, absorver, digerir o frenesi e o tornar aceitável.

........
Quando o ARCTIC FRONT estiver no estaleiro vou fazer uma viagem por terra pela América Central. E quando estiver assente aqui vou começar a fazer surf.  A dicotomia cronológica não se manifesta apenas no trabalho; melhor: há muitas dicotomias.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Quepos, Costa Rica, 15-05-2013

Chegámos a Quepos ontem. Parece uma vida. Uma vida que começa com uma vida não pode ser má. E uma vida que começa com a casa que encontrei hoje ainda menos.

Está num terreno de quinze mil metros quadrados, a três quilómetros e meios de Quepos, no meio dos montes e a caminho do Parque Nacional Manuel António, a grande atracção da Costa Rica. É grande, desnivelada, tem dois quartos, espaço para os meus livros e discos, aberta (no sentido de não ter paredes) e eu ainda não acredito que é ali que vou viver.

........
Quepos é uma cor: verde. E uma forma: labaredas. Grandes chamas de verde, um incêndio verde, verde em todo o lado, até nas ruas, verde no ar, verde, verde, verde como se o mundo fosse uma violenta conflagração de clorofila.

........
A viagem foi uma das melhores da minha vida. Nunca vi tanta fauna: golfinhos e tartarugas todos os dias, várias vezes ao dia; e raias, mantas, focas, leões marinhos ( na Isla de Guadeloupe, um dos sítios mágicos da minha vida).

Muito mais do que a fauna: tive a sorte de navegar com dois dos melhores tripulantes que jamais conheci. E. e R. foram, são, a prova de que se nasce marinheiro, apesar de muitas vezes não o sabermos.

........
Os dias (os dias... dois, até agora) são passados a preparar o ARCTIC FRONT para os primeiros clientes, no sábado; a procurar fornecedores para tudo aquilo de que ainda precisa, que é muito. A encontrar uma casa e a pensar que a felicidade ora parece um gigantesco incêndio, ora parece uma vaga que submerge tudo à passagem. Quase tudo.

sábado, 11 de maio de 2013

Marina Puesta del Sol, Estero de Aserradores, Nicarágua, 11-05-2013

Dia de largada. As autoridades já saíram - desta vez foi um bocadinho mais complicado porque um dos passaportes estava na lavandaria, os senhores não têm troco nem de dólares nem de córdobas, uma das notas estava rasgada (um rasguinho minúsculo num canto, mal se via), outra tinha qualquer coisa escrita, foi preciso fazer as fotocópias porque Dorian, o Harbor Master está de folga e creio que foi tudo -; o electricista está a instalar um inversor, estou farto de deitar comida fora por não ter frigorífico; a maré é às duas tarde.

Até lá esperamos na palapa da Marina, o nosso escritório cum sala de estar cum sala de jantar aqui em Puesta del Sol que o tempo passe. Sinar, o empregado, diz-me que tem pena de nos irmos embora. Compreendo-o, fomos praticamente os únicos clientes que teve desde que chegámos.

Quepos está a dois dias e meio de distância (gosto de medir distâncias em tempo). Ontem assinei um contrato de longo prazo. Há muitos anos que não sabia o que isso era.

Chinandega, Nicarágua, 10-05-2013

Chinandega, a cidade da qual a marina Puesta del Sol está mais perto tem aproximadamente centro e trinta mil habitantes. A economia da cidade e da região de que é capital é predominantemente agrícola. Marvin, o condutor do táxi que nos leva para a cidade diz-me, com uma ponta de orgulho mal disfarçada (ou estarei a imaginar, esse orgulho? É o mais provável) que Chinandega é a cidade do país que paga mais impostos, a seguir a Manágua.

O que me marca quando chego é a semelhança com uma cidade equivalente no Brasil: a mesma sujidade, o mesmo aspecto desleixado, o mesmo barulho nas lojas e em todo o lado.

Pouco me interessam as semelhanças, na verdade. Interessam-me mais as particularidades, as diferenças; e de qualquer forma está demasiado calor para passear; felizmente, porque não há rigorosamente nada para ver. Com algum esforço encontramos um sítio para beber café; péssimo, deslavado, fraco, sem ponta por onde se lhe pegue.

Acabamos no bar Paparazzi a beber rum. É a minha maneira favorita de conhecer uma cidade: sentar-me num bar e beber meia dúzia de copos da bebida local (passa-se o mesmo com as senhoras: melhor começar a conhecê-las pelos vícios do que pelas virtudes. Aqueles não enganam ninguém; não se podem esconder muito tempo, nem escondem. Estas são fáceis de fingir, vestem-se e mudam-se como uma blusa).

A tarde foi agradável. E. é decididamente uma boa companhia, e A. igualmente. Voltámos para o supermercado, ponto de encontro com Marvin, numa caponera, um triciclo a pedais. Pensei que havia lugar para duas pessoas apenas, mas o senhor disse-me que não, a lotação é de três passageiros. Não estou habituado a andar de bicicleta como passageiro, e estava com uma certa má consciência por causa do peso. Sou magrinho e pequenino, mas apesar disso mal cabíamos no assento.


sexta-feira, 10 de maio de 2013

Marina Puesta del Sol, Estero de Aserradores, Nicarágua, 10-05-2013

Chegámos à Marina Puesta del Sol há dois dias. Esta foi a primeira noite que todos dormimos bem, profundamente. Há uma diferença entre chegar a terra e "aterrar", (entre aspas porque aterrar é o termo técnico que designa a aproximação a uma costa depois de uma travessia oceânica). O mar entra por nós dentro e sai aos poucos: um copo aqui, um almoço ali, ausência de quartos, dias sem horas, horas sem mudanças, sem rumo.

Ao fim de dois dias em terra aterro; ao fim de quatro o mar falta-me de novo. Vou ter de aprender a viver aterrado.

........
R. desembarcou hoje. Obrigações profissionais, a viagem vai muito mais longa do que o previsto. É uma excelente pessoa e um excelente marinheiro; isto é o melhor que posso dizer de alguém.

........
Hoje vou à cidade; enfim, vamos todos, eu pela primeira vez. Chateia-me passar por estes países todos e não os ver - sobretudo porque tem sido uma agradável sucessão de surpresas. Pessoas adoráveis, paisagens fascinantes, e sobretudo esta noção de estar entre dois mundos, numa espécie de corda bamba geográfica.